sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

DESPERTAR DE UMA FIBRA
Autor: Nilton Bustamante

Uma fibra, uma única e imperceptível fibra, algo escondido lá no fundo da alma que se abre, botão de flor que encontra a luz, ouvidos que se juntam para a melodia vinda sabe-se lá de onde?

Algo acontecendo remoendo, destruindo, renascendo, templos, castelos, casebres, caminhos mal cuidados, outros florindo, a história registrando, marcando um dia mais, uma noite a menos, um sonho nascendo... Lá no íntimo, lá no infinito do Eldorado do ser...

Uma avalanche, desmoronamento, molhando o rosto, delineando a face, seguindo os sulcos das estradas da vida, e eu não sei o que faço além de suspirar fundo, profundo, como essa fibra que acordou, despertou bem no canto esquecido de mim... e me fez chorar.


...

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012



O QUE ME RESTA?
Autor: Nilton Bustamante

O que me resta nesta noite que se vai longa,
Que se vai longe e não se entrega?
O que me resta nesta folha que cai da árvore pra beijar a rua
E ser levada pelo vento, pelo prazer do momento
De se evadir madrugada adentro, sem olhar pra trás...
O que me resta, o que me resta?

Esse labirinto que já sei de cor,
Que já o fiz por todo jeito, todos os lados, mãos e contra-mãos;
Que de tanto buscar a saída, de tanto se acostumar nesse fixo pensamento,
Já cheguei a ver a luz do sol, já cheguei a ouvir o barulho das ondas livres do mar,
Cheguei a ver a porta e a calçada, e de tanto ficar nesse vai-e-vem, retornei,
Fiquei, e fico na longa entrega da procura desse dia, dessa noite,
Que serei folha caindo levado pelo vento, pelo prazer do momento de se evadir, sem olhar pra trás...

Ah, esse meu jeito morcego que emite meus pensamentos
Na espera de qual será a resposta que virá em seguida,
Essa admiração pelo céu que me engole, me consome e me sinto mais inteiro...
Com maior vontade de voar às cegas.
Essa fidelidade, esse fascínio pela palavra, minha mulher amada, minha namorada.

Ah, esses sons, essa sonoridade da vida e da morte,
Encontro e despedida, do abraço irradiando coragem
Como quem segura pequeno arbusto na beira do abismo
E não se faz conta ao abrir os braços e encostar corações,
Neste ato mais importante que a própria segurança,
Mais importante que os atos ensaiados, esse repouso depois que o fogo a tudo queimou.
O que me resta, o que me resta?

Se meu lado rústico ainda está tentando se entender com a ternura,
Se ainda estou aprendendo seus contornos, suas formas, intimidade,
Feito quem no primeiro encontro fica tão extasiado ao entender que a viagem é outra,
A pulsação loucamente descompassada, rasgando o peito a vontade de chorar ao toque leve das mãos;
Saber que a entrega é outra, é deitar na areia da praia, ficar no silêncio olhando pra cima,
Vendo estrelas mesmo na chuva...

E nessa suavidade,
Nesse mesmo silêncio as mãos em mímicas imperceptíveis conduzem o alçar dos voos e pousos.
Ah, o homem conseguiu ir à Lua, mas é tão precisado das mãos da ternura para se aventurar em solo profundo feito kamikaze,
No último suspiro de vida e sorte...

Essa memória, essa história, que faz de mim simples folha,
Um andarilho levado pelo vento, na busca do amor,
Pelas ruas onde as pessoas-automóveis passam, passam, passam e não se dão conta...


...


BRANCAS BANDEIRAS
 Autor: Nilton Bustamante

Hoje, último momento,
Um tempo do silêncio
Pra acalmar o pensamento e murmúrios.

Que a paz possa chegar
Entre nós brancas bandeiras, duas pombas de tanto voar, tanto tentar
Finalmente façam então calar
Toda palavra que afasta da gente o amor...

Hoje, seja como for,
É como se a gente fosse "antigamente",
Entre espelhos mil sorrisos que se repetem,
Abraços dados em ciranda
Girando pelos pescoços, pelas cinturas
Rodopiando a felicidade
Sem precisar de nada mais que o voo do olhar...

A delicadeza do coração, que eu mesmo não sabia
Pediu-me pra abrir as comportas e da alma todas as portas,
Deixar livre todas as enxurradas,
Todas as esperas das propostas
E me abrir em canal para você vir me navegar na forma que desejar

E nos encontrar na delicadeza do abraço e voarmos
Brancas bandeiras,
Fazer calar toda e qualquer palavra que afasta da gente
O amor.

Hoje, algo aconteceu,
Uma saudade da gente me despertou...


...
 Keane
 http://www.youtube.com/watch?v=53KrJSPN-58


,
TEU CORPO
Autor: Nilton Bustamante

Oferece teu corpo pra mim
Oferece teu sonho
Este desejo que é o melhor sentimento
Vem lá do fundo do peito
E ameaça partir

Deixa eu pegar tuas mãos
Ver as linhas que devo seguir
Que nem sempre sei de cor
Nem sei ouvir

Oferece teu corpo encantado pra mim
Que eu aceito os vendavais

Não te ocupes com o amanhã
A que horas terás que acordar,
Se terás pra onde ir
Se a verdade terá que mentir

Oferece este suor que é parte de mim
Deixa seguir o balanço de navio

Fecha teus olhos
Que eu aceito teu corpo de mulher que ama
Fecha teus olhos de menina
Agora que te faço dormir

...

  • ESSA DISTÂNCIA
    Autor: Nilton Bustamante

    Eu queria apenas...
    Eu queria apenas estar com você
    Essa distância é tão grande, bate uma tristeza
    Que não consigo disfarçar

    Dentro do meu olhar
    Eu choro sem sentir
    Pena de ninguém, nem de mim
    Choro porque é algo que chama seu nome
    Bem aqui dentro e você não está ao meu lado

    É como pegar estrada sair por aí
    Sem conhecer, sem saber aonde vai dar,
    Se o final será serra ou será mar
    Quero cantar seu nome
    Cantar que você é amor

    Mesmo você tão longe,
    Só me faz lembrar mais e mais que te amo
    Quando você não está qualquer lugar é longe...


    ...

    http://www.youtube.com/watch?v=pq6lsZoWcFE&

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012


SEU CORAÇÃO NO MEU
 Autor:  Nilton Bustamante

Eu ia dormir agora
Mas resolvi ouvir uma vez mais essa canção
Que é só de nós dois.

Eu ia dormir agora,
Mas sei que o sono não está me esperando,
Nem mesmo o silêncio sendo perturbado por um carro passando...

Abro as cortinas pra olhar lá fora,
Tão brancas, tão suaves dançando com o vento.
Estou querendo sentir tudo isso, esses arranhões de saudades...
A lua não veio dessa vez,
Olho pro céu, esforço minhas vistas se descubro alguma estrela
Querendo dançar bem perto, bem assim.

Tudo é pensamento,
Tudo é momento...

Eu quero lhe abraçar forte e macio, trazer você bem no meu peito,
Ficar assim, quietinhos, juntinhos,
Descalços, movimentos lentos, pra lá pra cá
Seguindo a canção-pensamento, suspirando doce,
Apertar você pouco mais forte, mais doce, seu coração no meu...


Eu ia dormir agora...


...

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

 
SUPERBOY
 autor: Nilton Bustamante

Hoje pela rua vi um menino.
Ele ia sobre os ombros de alguém. Ficou mais alto que o mundo.

Suas mãos pequeninas seguravam outras mais fortes. O equilíbrio e a confiança na mesma direção. Uma capa voava com o vento. Não sei se era do pai, ou era fantasia do menino...

Nos olhos deles soltavam raios de união, raios de mil megatons.
Riam a mesma alegria em pular por cima da maior explosão que o mundo já sentiu.
Riam a mesma alegria ao saltarem todos os buracos que a prefeitura não viu.
O momento tão intenso que o mundo todo em câmera lenta deixava o tempo e o vento pra trás...

Eu que a tudo via fiquei menino...
Uma capa voava com o vento. Não sei se era do pai, ou era fantasia do menino.
Essa capa que ficou nos meus ombros pra eu poder também voar... Nem a ventania me soube explicar.
 
...
 
...

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012



UM GRANDE AMOR
Autor: Nilton Bustamante

“Há sempre algo de ausente que me atormenta”,
Pelas cinzas calçadas, obrigado a parar pelas esquinas,
Esse mistério em cruzar voando os olhares por baixo, por cima,
Perigo tão perto, tanto quanto a alma feminina, das canções,
Que mesmo fazendo pirraça, mesmo sumindo como fumaça,
É ego, é céu, é quem sabe Camille Claudel...


Não sou estátua, nem bailarino,
Essas mulheres com seus corpos nus tomando sol nas bancas de jornais,
Fazem que eu ande ponta dos pés, para disfarçar, pra ninguém ver,
O tanto que meus olhos pedem, lambem, bandidos de mim mesmo,
Fugidios, enquanto os cachorros latem, mandando mensagem,
Sobrando coragem que não tenho...


Um tanto de homem, tanto de menino,
Querendo colo, querendo fantasia, correr de mãos dadas,
Ir por detrás das coisas, por detrás do mundo,
Pra ninguém ver outra vez, o instante de querer, sem evitar os convites,
Suportar todos os apelos, e os cuidados, só pra se entregar, só pra se largar pelo espaço,
Coração sem tamanho e direção...

Ainda que cansado,
Ainda que largado pelo dias e pelo que se buscou,
Tão raras as flores como quem traz o primeiro bilhete falando de amor
Abro as gavetas, como quem procura tudo, como quem procura nada,
E sorrateiro, marco caminho pro seus passos, últimas conseqüências,
Pra se viver um grande amor...
 

.

SUA FOTO
Autor: Nilton Bustamante

O que me importa essas palmeiras, esse mar fazendo ondas?
O que me importa essa areia quente?
O que me importa esse vento vindo de longe lá do azul que desce do céu?
O que me importa essa sua foto sugerindo a paisagem parada no tempo?

Antes, seu coração
Antes, você canção
Antes, movimento dos trens
Nesse passeio de estação em estação, e um simples encostar de mãos...

Antes, um jardim mais bonito para nos falar,
Pra tudo virar amor e nada mais.


.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012


ONTEM
Autor: Nilton Bustamante


Foi você
Essa tempestade que veio e me fez fechar as janelas
Ficar no escuro?...

Alguém bateu à porta pra nos trazer de volta
Ah, isso não se faz, o que importa?
Fica aqui comigo, os biscoitos sobre a cama, o café

 
Há tanto pra se fazer, há tanto pra se miar
Meu coração o tempo todo agora toca o seu
Sou sua caixinha de música
 
Nesse abrir, esse fechar
Pega a almofada, faz com ela mais uma tempestade
Pra eu não te esquecer

...

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

PALAVRA


PALAVRA
Autor: Nilton Bustamante

Palavra é textura, é ternura, é tintura,
é marca, é marco, é o que faço e o que não faço,
é pedaço, osso exposto, é toco, sobra, mais uma migalha jogada 
pra matar minha fome...

Palavra é disfarce, é mentira, é nervo estirado, é ira,
é verdade marcada a ferro e a fogo,
é intriga, é certeza do que se sabe e do que se imagina,
é rudeza, aspereza, é esfregação, é brilho feito a lã de aço e sabão...

Palavra é casa, é abrigo, caverna, é ideia botando fogo na fogueira,
é o que se quer dizer e o que se quer esconder,
é suavidade, é amor, é ave voando alto pelo penhasco,
é promessa, mundo novo, é sonho que se quer viver...

Palavra é mensagem,
é código secreto, é coração fechado ou aberto,
o que vai o que vem,
mesmo movimento de quem ama, chora e goza,
sorri e uma vez mais pede bis...

Que a palavra encontre caminho agora, encontre sentido
e desnude sem telhados, sem paredes, sem cabides
e que outros olhos possam ficar sem saber o que se quis mostrar,
e que outros olhos possam compreender o que se quis falar...

Palavra, faço de ti laço,
faço de ti o que se lança no espaço,
seja meu elo, meu compasso, palavra seja meu sinal de fumaça,
faça eu existir...


...
AMY
http://www.youtube.com/watch?v=7qPZXyWJID4&

.........................................................................

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012


DEBAIXO DO SEU TRAVESSEIRO
Autor: Nilton Bustamante
 
Quando eu estava fora do tempo
Fora da estrada
Fora dos caminhos dos céus
Eu era só pensamento
Circulando no mesmo carrossel
Olhos fechados
Na mesma espera, sem sair do lugar
 
Não quero ficar assim cacharrel
Esperando o frio,
A caneta patinando sobre o papel
Pra ver se alguma palavra
Me faça companhia...
Guardo todos os voos
Pra quando precisar
Tirar os meus pés do chão
Ir outra vez, uma vez mais
Em sua direção...
 
Hoje estou assim
Colocando no envelope o meu amor
Pra lhe enviar, pra quem sabe você
Me guardar debaixo do seu travesseiro
E sonharmos juntos, outra vez...
 
 
   
...
Keane
http://www.youtube.com/watch?v=2RZOg3Ybe9M


.



UM DIA DE SAUDADES
Autor: Nilton Bustamante

Hoje é um dia de saudades,
Mas tanta tanta tanta é essa saudade que nem sei
Hoje é um dia de suspirar
Ouvir Keane, lembrar dos contornos de seu rosto
Até eu desaparecer em cada curva, e não querer mais voltar...
 
Hoje é um dia de saudades,
Estou tão frágil, não consigo mais segurar,
Palavras salgadas seguem, escorrem em silêncio
Um nó aperta invisível minha garganta, falta ar...
 
Hoje é um dia daqueles
Que a vontade é tamanha, é gigante de ficar com você
Ouvir o tom de sua voz outra vez, apertar sua mão na minha
Assim assim... Andar por aí.
 
Ah, cadê as asas que estavam aqui?
Não estou conseguindo mais voar...
 
Você não vê, não entende?
Será que está sentindo o que estou sentindo aqui?
A caneta que você me deu, deito seu nome... Escrevo, escrevo, escrevo
Saio à rua e não é a sua, ah, não é, não, não, não é...
 
Hoje é um dia de saudades
Choro sozinho, baixinho,
É tanta, tanta, tanta essa saudade, essa vontade...
Não consigo deixar de amar você, mesmo sabendo que não devo, não devo
 
Antes que eu tenha que voltar ao anormal
Antes que a saudade deixe de me visitar
Antes de chegar aqui com os dedos sujos de terra e pedaços de plantas às mãos
De quem quis se segurar em algo para se salvar antes de cair em algum vazio
Eu preciso saber...
 
Ah, cadê as asas que estavam aqui?
Não estou conseguindo mais voar...
 
...
Keane
http://www.youtube.com/watch?v=53KrJSPN-58


.




Mãos dadas, conexão, ligação, fluxo intermitente, passeio das energias de coração a coração;

Mãos dadas, para não se perder de quem se ama...