sábado, 31 de julho de 2010

ESPADA OU CRUZ



ESPADA OU CRUZ
   Nilton Bustamante


A mesma espada que fere numa ponta, na outra oposta pode tornar-se cruz!´

a mão é a do homem, ele escolhe o que vai apontar ao mundo!



...
Rick Wakeman
http://www.youtube.com/watch?v=v04bLPgU2j4&


...

sexta-feira, 30 de julho de 2010

SÃO FRANCISCO DE ASSIS


Assista: IRMÃO SOL, IRMÃ LUA
http://www.youtube.com/watch?v=qLcbm28WrKU&


SÃO FRANCISCO DE ASSIS
Nilton Bustamante

Oh, libertação quando em meus sonhos?
Mas alerto, imploro, quando o sono há por vir
Dominar-me ao solo frio o quente do meu sangue?

Oh, libertação quando em meus sonhos?
Nessa guerra feri e ferido fui até não mais agüentar,
Oh, libertação quando será por mim?

Beijo o céu, beijo o pombo que desce
Das alturas, alvíssimo cercado de luz, será salvação ou
Condenação em celestial e linda miragem?

Cruzada
Espada que fere de um lado e na outra é bendita cruz
Oh, anunciação quando será por mim?

Oh, São Francisco de Assis
Quando Dante disse: ‘Luz que brilhou sobre o mundo’
Não foi em vão, nem sermão, nem uma mera emoção,
Foi certeza, foi clareza, a Natureza e a vida ganharam seu mais nobre aliado
Com pés e alma ao chão, mostrou-se simples, o menor dos menores
Para não humilhar quem lhe pede a prece, o gesto do pão e da mão...

Oh, São Francisco de Assis
Os homens são seres humanos, filhos dessa mãe Terra, antes das religiões
A Humanidade é o próprio Cristo sangrando suas chagas, e em suas redenções
Descalça pisando o fogo do gelo, mostrando corações aflitos sempre com fome de tudo
Seja, oh, São Francisco de Assis, então não o nosso penitente, mas, a luz brilhando Jesus...

“Cada homem simples traz no coração um sonho
Com amor e humildade poderá construir se com fé você souber viver humildemente
Mais feliz você será
Ainda que sem nada
Uma pedra, depois da outra vai chegar alto
E as alegrias simples são as mais belas
São aquelas que de fato são as maiores...”

Oh, São Francisco de Assis
Traga o sol, traga a lua, vamos brincar de roda que a vida é mesmo divina e bela
Nada é mais que a vida e amor!
A arrogância e o orgulho são distúrbios de mentes ainda doentes,
Querem poder, querem o poder!

Despertai, oh, consciência, a doença e a fome não podem ser reféns da condição humana
Despertai, oh, consciência, o delírio das mentes ainda doentes faz acreditar que não é possível
Erguer pedra sobre pedra chegando ao alto, em forma de entrega, em forma de oferta e oração...

Nada é mais, ou será que o amor, leve-se o tempo que houver que levar... o homem um dia acordará e saberá!
...

quinta-feira, 29 de julho de 2010

SEU OLHAR


SEU OLHAR
autor: Nilton Bustamante

Seu olhar não é apenas a maneira dos olhos observarem o perto e o longe... Seu olhar tem algo que vem, que vem, que vem talvez da força das cachoeiras saltando coragem no frio dos abismos. Tem algo que vem da braçada enfrentando a correnteza que insiste um destino só; algo da flecha no peito que chora a dor do gozo do amor; do mel às vezes doce, às vezes amargo da flor colhida pela manhã; do fogo que se espalha, que foge ao controle comendo a mata do corpo até o último pelo, até o último apelo, do grito de cada boca ancestral, explosão em uma só voz de todos os gozos que vinga a morte dos desejos e traz a vida que voa novidade simples, na fila da imaginação, da estação, farol fechado, idas e vindas, quando se espera encontrar suave esperança, novo porvir, tudo que se quer alcançar... O amor, enfim!

Seu olhar deixa nua qualquer mentira crua, ingênua, infantil, de tal maneira que a vergonha nem adianta trazer o manto e querer cobrir tudo − será em vão −, nem quando o interminável perdão clama a fé, pede mais uma vez por sua vez...

Seu olhar, seu olhar me silencia, me faz lágrimas emocionadas que ameaçam cair pelos cantos para não chamarem atenção, porque não quero, não quero, não quero que você saiba que me tornei liberto da prisão a qual eu tinha o tempo todo a chave em minhas mãos − todo ex-prisioneiro tem vergonha de sua vida pregressa − e, ah, esse desejo, essa certeza me acompanham desde então. Como pode ser esse mistério, esse vendaval dentro de mim, eu sentado na beira da lua minguante, vendo do alto a sombra de tantos e tantos corações apaixonados? – cadê o seu? − Eu não consigo mais ficar sem, não consigo, não consigo, não consigo ficar sem me desmanchar dentro do seu olhar... E me largar na força das cachoeiras, saltando mais que coragem, essa baita saudade, no frio dos abismos, nos caminhos sem endereços. A minha vontade é tanta, é tamanha de te abraçar, de te amar, que essa flecha atravessada no peito é apenas para me lembrar que eu amo tanto, tanto, tanto... Você!

O amor é algo tão sublime, algo tão extraordinário, tão surpreendente, tão encorajador, que se deveria fazer todos os dias homenagens, esperar a quem se ama no portão só pra dizer que se ama, pra se dar boas-vindas, pra se abraçar, dizer que a espera foi torturante, e que agora – o encontro – é sol, é noite, é da vida, presente pra ser aberto, tirar os laços, rasgar embrulhos e papéis, desfazer nós, tirar os sapatos, e viver e curtir sempre, sempre, sempre nós dois.

...



______________________________________
Los Hermanos - último romance
https://www.youtube.com/watch?v=hvbuYbwrpxc


..........

.
.

domingo, 25 de julho de 2010

A ROSA BRANCA

A ROSA BRANCA
Nilton Bustamante

A insana ousadia de apoderar-se do poder, do partido político, do país, dos vizinhos e do mundo, atrelou-se o sonho nazista aos de outros loucos e criminosos que macularam a história da humanidade.
Experimentou-se um sem fim de atrocidades, barbaridades contra a liberdade, contra o maior patrimônio dos homens: A vida!
Os facínoras, covardemente, sempre buscam os motivos mais torpes que possam isentá-los dos seus crimes ignóbeis.
Muitos foram contaminados por essa epidemia. Robotizaram as crianças germânicas que nada conheciam além daquele fanatismo que lhes impunham a propaganda oficial.
Lamentavelmente muitos foram levados, ou obrigados, ao sonho do surgimento do grande Reich. Mas, o que ou quem há de ser grande à custa das misérias impostas à civilização?

Nesse agosto de 1998, alvoroçou-se na cidade de São Paulo, Brasil, a população mais esclarecida, pois circularam manifestos de profundo teor discriminatório contra as minorias raciais e sociais.
Descobriu-se que no vértice de tal movimento está um jovem cujo sobrenome abriga o peso “Amaral Gurgel”-família tradicional local.
Indagado pelo radialista que abria espaço democrático na programação vesperal, o jovem justificou a paternidade dos panfletos e proclamou-se “marqueteiro”. Disse que não era um qualquer. Afirmou, com orgulho, ser “branco”, “universitário”, com grande admiração por Hitler.
E, ainda, continuou, que a história fora escrita, como sempre, pelos vencedores, necessitando assim ser revista.
Obviamente ficamos atônitos com as ponderações vesânicas.

Pois bem. Ao “universitário” é bom esclarecer que houve na Alemanha uma revolta estudantil iniciada na Universidade de Munique contra o nazismo, espalhando-se para outras universidades por meio das chamadas Cartas da Rosa Branca.
Tal propaganda antinazista obteve seu ápice após a derrota da Alemanha em Stalingrado, em fevereiro de 1943, pela então União Soviética.

O derradeiro e mais célebre protesto dos estudantes de Munique começava:

“Colegas Combatentes da Resistência...
Abalado e despedaçado, o nosso povo contempla a perda de homens em Stalingrado... insensata e irresponsavelmente conduzidos à morte e à destruição pela estratégia inspirada do nosso cabo da I Guerra Mundial...”

Denunciados à Gestapo, seus líderes Hans Scholl, aluno de Medicina, 25 anos; sua irmã Sophie Scholl, 21 anos, e Kurt Huber, professor de Filosofia, foram presos, “julgados” e condenados à morte. Cabe salientar que os interrogatórios foram tão brutais que Sophie compareceu ao Tribunal com a perna quebrada e de muletas dirigiu-se ao local de execução.
As últimas palavras de Hans Scholl foram: “Viva a Liberdade!”
Dias depois foram executados o Prof. Huber e outros estudantes envolvidos.

Nota-se assim que o povo alemão é distinto e foi vítima da sociedade alucinada, nazista-hitlerista, da mesma forma como os “brancos universitários gurgéis”.

A esses a Rosa Branca.
Viva a Liberdade!
Viva a Liberdade de existir, coexistir entre todas as etnias e expressões religiosas, pois só assim o homem poderá fazer evoluir sua “consciência humana e universal”.


N. do A.: Quando se vive numa democracia que está ainda se firmando, como a brasileira, é bom lembrar as palavras de Winston Churchill:

“...- nós temos de ter certeza que as finalidades honrosas e honestas pelas quais entramos na guerra não possam ser postas de lado nem descuidadas nos meses que se seguirão ao nosso êxito, e que as palavras ‘liberdade’, ‘democracia’ e ‘libertação’ não sejam desviadas do significado verdadeiro como nós as conhecemos. Não há nenhuma vantagem em punirmos os hitleristas por seus crimes se as leis e a justiça não forem estabelecidas, e se o governo ou uma polícia totalitária tomarem o lugar dos invasores alemães...”

.'.

sábado, 24 de julho de 2010

4H27 DA MANHÃ

4H27 DA MANHà -  (VIVALDI - aria - http://www.youtube.com/watch?v=9zQX2XqAE8c )
Nilton Bustamante

O tempo não colabora
A manhã não tarda e eu aqui esperando o que os céus me enviam
Para alinhar-se no papel
O tempo não demora
Pra ir embora, muitos relógios para se visitar, já são 4h27 da manhã,
Dama e Valete pra jogar

Um monte de coisas
Para arrumar em minha mente, em meu coração, parece diversão
Pensar assim, mas, não
É que vou deixando
Pra depois, como quem nada mais tem pra fazer e o pouco deixa
Se ocupar quem sabe

Se engana mais um
Pouco pensando que tudo vai se resolver, basta pegar o telefone
E se desmanchar feito
Quem tem o coração
Represado, não agüentando a pressão, querendo rachar, romper
Destruir em onda alta

Mas, já são 4h27 da manhã, e a vontade é ficar aqui, nesse sofá,
Sonhar acordado pouco mais com você...
Esperar primeiro pássaro anunciar o novo dia que custa a chegar

...

FREQUÊNCIA MENTAL E MORAL

FREQUÊNCIA MENTAL E MORAL
Nilton Bustamante

Ainda nos dias de hoje a média do padrão da freqüência mental e moral são muito baixos, no planeta Terra.

Mas, chegará o tempo (e não se está longe disso) que será bem possível ser tudo estabelecido de tal maneira, para melhor, que ao focarmos alguém, seja quem for, a conexão, a ponte será pura de luz. Será como quando oramos nos dias de hoje, momento brevíssimo que seja, e focamos Deus ou quem de maneira bendita o represente. Será pura expressão de amor de forma ininterrupta.

Chegará o dia em que ao dirigirmos nossa mente, nosso pensamento, nosso coração - para quem quer se seja - ofereceremos somente a paz em comunhão.

E agiremos assim, de forma contínua e uniforme, absolutamente natural, com essa freqüência bem mais elevada, como se estivéssemos em recolhimento de prece, estado de vigília, com os reinos celestiais mais cristalinos refletidos em nosso íntimo.

Esse exercício, essa conectividade, já podem – e devem – ser aprimorados desde agora, imediatamente, para o nosso bem, para o bem de todos quando estiverem em nossa órbita.

De nosso íntimo brotará somente as fontes benditas do amor e caridade, que serão ofertas generosas! E as agressões gratuitas que desferimos no estágio atual, sumirão do horizonte de nossas ações e lembranças...

TRANSA



TRANSA
autor: Nilton Bustamante

Há quem deseja a própria mulher com tantas camadas, com tantas peles por cima, que de outro jeito já não acha graça, já não se excita... 

Precisa do disfarce, vitrine sex shop: enfermeirinha safadinha, mulher gato, mulher cachorrinha, mulher melancia, mulher morango, mulher todas as frutas, bombeira, secretária executiva, vadia beira de cais, adolescente crescidinha, tiazinha, mangá menina meias três-quartos e saia curta plissada xadrez, amazonas pernas arcadas, empregadinha-qualquer-salário-sem-calcinha-e-sem-carteira-assinada, gueixa, bonequinha de luxo, polaca, francesinha, artista-qualquer-uma-talvez...

Quem sabe se não tivesse tão preocupado em encontrar algo entre mil fatias, mil pedaços, pudesse encontrar a própria mulher amada por inteiro.

Há quem necessite do disfarce o tempo todo para se ter coragem, a coragem que o medo evita e não deixa o homem crescer, nem a sexualidade amadurecer...

A melhor fantasia é ser quem somos, mostrar-se, sem receios,
e ainda melhor é decidir-se por quem nos apaixonamos!

Pode ser o medo rondando, o receio de se estacionar no gélido desinteresse da rotina, ou apenas querer sentir outros gostos, outros perfumes... Pode ser a desastrosa e viciante fila de fantasias esperando a vez para subirem na cama – quando já não sabem mais de outra maneira –, pois, nesse caso, perderam-se a coragem e o interesse da essência do real; só funcionam atrás de máscaras. No entanto – penso – , o que há de mais instigante, de maior apelo, voos mais libertários do que se aventurar cada qual com seu par nos desconhecidos universos de um e de outro?

Nesses campos, onde estar nu não quer dizer estar sem roupa, a melhor busca, a melhor piração, o melhor que se pode experimentar, é ser totalmente livre na exposição e se aventurar no outro com a fantasia de si mesmo!

.
.

MÃE NEGRA



MÃE NEGRA 

Autor: Nilton Bustamante

Hoje quero cantar com seus filhos, Mãe Negra,
Essas almas colheram sol e o sal
Viajaram navios negreiros
Cantaram os cantos que a alma guardou
Mas, hoje não quero cantar tristeza!

Hoje quero cantar com seus filhos, Mãe Negra,
Essa força-brilho em cada olhar
Crescendo na alma a vida
Que ninguém, nem a morte, poderão ceifar
Mas, hoje não quero cantar tristeza!

Mãe Negra, os filhos forjados a ferro e lágrimas
Sabem dançar, sabem cantar, sabem sorrir
Então me ensina, Mãe Negra,
Essa cantiga antiga, essa dança, e canto repleto de amor
Hoje quero com você cantar alegria!

Os ventos escreveram para sempre cada história,
Na memória desta Terra, ninguém poderá mudar,
Então me ensina, Mãe Negra,
Mas, hoje não quero cantar tristeza!
Hoje eu quero com você ser alegria!

Hoje os céus estão se abrindo, mil em mil tribos
Caminham pelo ar, coloridas pintadas em festa
Para dançar
Que não é dança de luta ou de guerra, nem de sangue
Nem revanche, é maturidade da força-brilho de cada olhar
Desses filhos que cresceram em Luz em direção do Criador...

Mãe Negra
Cada filho agora é raiz no mais profundo solo
Mãe Negra
Os ventos − estou ouvindo, estou ouvindo −
Estão vindos outros e mais outros filhos vossos, agora à glória... do Amor!

...


Paradise
http://www.youtube.com/watch?v=Cgovv8jWETM




.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

PERGUNTARAM AO POETA

                                            estátua:      Amantes de La Peña (Andalucia)

PERGUNTARAM AO POETA
autor:  Nilton Bustamante

E veio a pergunta:
"O desamor produz mais poesia do que o amor, por quê?

O poeta, penso eu, ao vislumbrar o amor, essa viagem desconhecida com tantas possibilidades de transpor intensamente fronteiras da alma, mente, corpo e salivas, realmente se angustia ao sentir-se  'solo' ao querer voar. Se angustia tantas outras vezes em não ter com quem falar dessa aventura, possuir segredos e não ter com quem combinar o silêncio; é ter os lábios sedentos e não encontrar outros com amphora lucis para jorrar à alma... É saber que o ser amado está a uma linha das possibilidades e mesmo assim, o abismo separando... Por isso, o sofrimento, da vasta escrita, da enorme produção de tantas e tantas lamentações que atravessam os tempos.

E quando o poeta voa duplo, corpos e almas se confundem em sorrisos por dentro das flores, entre cachoeiras geladas em chamas que não se apagam, quando o poeta é arara voando com seu par em companhia, com a cumplicidade do simples, são tantas e tantas coisas a fazer, a conhecer e saborear dos universos dos corpos, dos olhares, cílios fazendo cócegas nas almas apaixonadas em tolas brincadeiras, da incompreensível maneira em achar graça em tudo e de todos, que simplesmente o tempo deixa de existir, e a ocupação com a felicidade é tanta e tanta, que o poeta não quer parar pra nada, nem escrever...


.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

PONTAS DOS PÉS


PONTAS DOS PÉS
Nilton Bustamante

Você chega feito bailarina pontas dos pés
Chega feito madrugada em silêncio para não me acordar
Eu finjo dormir pra você não me ver chorar
E a gente amargando quem fica sem, quem fica sem a dança, sem o amor

Você chega sem eu saber onde se escondeu
O que ficou pra longe, o que ficou distante
E eu sentindo o que havia em nós antes de tudo acabar
E a gente adiando deixando a porta aberta pra quem tiver coragem partir

Eu finjo que esqueço, que não vejo o silêncio
Ameaçando nossos dias, nossas noites tristes
Quem sabe o adeus se esquece e vai embora sem nos levar

Quero pensar que não é sonho nem desejo
Apenas eterno momento lembrar você sorrindo
Seu coração dizendo que me amava o que podia ser lindo

Quando não mais voltar talvez eu consiga acreditar
Que a porta se fechou sozinha e por algum descuido você ainda se importa
Quando não mais voltar talvez eu consiga até sorrir
Esvaziar as gavetas e achar lindo todo e qualquer dia que passar por mim...

Mesmo que você não mais me ame, talvez eu me engane
E espere chegar pontas dos pés feito madrugada pra eu poder sonhar mais uma vez... com você


...

sábado, 10 de julho de 2010

VENTO NORTE



VENTO NORTE
  Nilton Bustamante

Frio e forte, monto no tempo, dou galope e me lanço Sul
Eu me entrego ao que possa ser a minha própria e grande sorte
Vento Norte
Quente e morte, tuas patas no solo são carícias, voam
Agarro-me em ti antes que minha coragem não mais te comporte

Em meus ouvidos tuas ameaças doces conselheiras
São longas jornadas, adormeço; esqueço de mim, o que não vivi
Vento Norte
Esqueço de mim para ter partida em ti nua no sofá
Vem comigo sopra-me em meus ouvidos, dê-me vida e sentido

Para eu envergar-me ao chão e te amar o que não espero,
O que eu não sei...
Vento Norte teu beijo é toque, sugar de alma
Se estou em mim, ou se estou em ti, eu mesmo já não sei...

quarta-feira, 7 de julho de 2010

OLHAR NO ESPELHO



OLHAR NO ESPELHO
autor: Nilton Bustamante
Você está sempre ocupada
Correndo com tudo como quem está fugindo do mundo
Sempre se escondendo
Atrás de qualquer coisa
Pra se conformar, se enganar
O beijo só chega no rosto
Quando quer mesmo é dar o pescoço
Fechar os olhos
Deixar o coração simplesmente sem grades, sem precisar mentir
Aproveite o descuido, quando olhar no espelho
Pra arrumar os cabelos
Olhe dentro dos seus olhos e diga o que vê
Veja se há alguém lá dentro pedindo socorro
Pedindo um amor que ficou na estação
Que seu trem não parou
Ouça o seu coração dizer...
Quanto mais os dias nos afastam
As noites vem nos abraçar
Porque somos mesmo um pro outro feitos de amor



_________________ (adoro essa canção):
If - Bread
https://www.youtube.com/watch?v=nTsaixdX4f8
.........................

QUANDO A GENTE AMA


QUANDO A GENTE AMA
Nilton Bustamante

Quando a gente ama pensa que é diferente
Que o tempo é apenas água sumindo na terra regando uma flor
Quando a gente ama pensa que o coração não erra
Tudo que ele sente e faz é filme de um sonho bom


Quando no olhar outras naves começam voar
A vontade vai visitar cada estrela enfeitando noites pratas-azuis
Nos lábios sorrisos e suspiros se encontram simples
Deixando esperanças vãs e tolas virar novelas de televisão


Essa imensidão, essa saudade muda tudo então
O que era paz, agora é desespero olhando em cada espelho
Imagem de um balão levado pelos ventos qualquer direção
Nada mais parece ser o que era antes, tudo agora é coração


Quando a gente ama pensa que é diferente
Tudo fica doce, o amargo não tem mais importância
Porque quando se ama, tudo é amor...

... 

terça-feira, 6 de julho de 2010

O RIO A CANTAR


O RIO A CANTAR

Nilton Bustamante

Prédios e ruas desenham caminhos
Entre morros e o mar, olha lá!...
Rio de Janeiro teu corpo moreno
De tanto sol, foi feito pra amar

O Rio a cantar é alguma coisa que se move no ar,
Difícil explicar
Essa alegria, esse samba balanço das ondas
Caixinha de fósforo marcando o tempo, marcando o placar

A sinuca nas mãos que escrevem poemas em mesa de bar
Já não posso mais ficar sem tuas madrugadas
Sem tua cadência
Do amor, em par em par, encontro de céu, encontro do mar

O Rio a cantar é alguma coisa que se move no ar,
Difícil explicar,
Nos portos, franceses, holandeses, espanhóis, portugueses
Chegam em mil línguas, em mil bocas sedentas
Nas intenções de amar...

Rio de Janeiro teu corpo moreno deitado na areia
Olha lá!... É todo pra amar,
Esta tua alma sorriso, esta tua alegria
Difícil explicar, difícil explicar...

domingo, 4 de julho de 2010

SOU BEM ASSIM - canção de Bruno De La Rosa & Nilton Bustamante



SOU BEM ASSIM
Bruno De La Rosa & Nilton Bustamante

Ah não, não me implore assim, nunca mais
O que você ainda faz, já não traz seu amor, nem com ele condiz 
Pois, dos seus olhos, os meus viram tristeza no olhar
A tristeza nos olhos de quem com talvez outro bem já foi bem mais feliz

Se você não se importar deixa comigo a saudade
Em meus quadros, pincéis,       
Já não quero guardar mais lembranças
Que entre tantas promessas se fez

A noite vem silenciosa destruir tudo sem me perdoar
E como manhã me refaço
Cuspindo o fracasso
Forjando o cansaço pra me convencer
Que sim

Ah, que não há lugar em mim pra nós dois
Que a sua farsa lhe pôs no lugar que deveras jamais pertenceu
E o seu lugar nessa mesa fica vazio
A lembrar todo agravo de um travo de fel
Disfarçado de mel hoje é um mal que é só seu.

Mas se a sua verdade é o que tem de melhor pra dizer
Passe bem
Pois se é pra falar de mentiras...
Eu nunca te amei

ÍNTIMA VONTADE


ÍNTIMA VONTADE
Autor: Nilton Bustamante

Do que possam servir-me a melhor das canetas e nas veias a melhor das tintas, querendo deslizar pelas vastidões das páginas em branco polar?

Do que possam servir-me os melhores crayons, guaches, aquarelas e os coloridos de cada lápis, todos os matizes, querendo da luz os íntimos segredos?

Preciso da companhia da mulher amada, das sonhadas ventanias em tardes de amor dando vida às minhas idas e vindas, acelerar este meu coração que andou em monótonas andanças e balanços vazios.

Preciso, preciso, sim, preciso tanto dos íntimos segredos desta minha amada que me esparrama ao chão e me faz estrada, me pisa macio e doce sorri me chamando de sol, que se chega tarde e se vai cedo.

Preciso, preciso, preciso entregar-me, entregar-me todo, completa e indisfarçavelmente, fazendo da vida a possibilidade da arte de amar e não se passar em branco, esse branco polar, frio, triste, vazio uma vez mais.

Quero-te, amada minha, também livre, quero-te cometa em céu aberto!
Quero-te lento navio pelos sete vezes sete mares meus!
Quero que estejas comigo, mas não sejas minha!
Ah, amada mulher, olhos rasgados que parecem meditar, parecem fechar, mas estão sempre vendo ao longe, longe, quero queimar-te toda pavio!
Quero-te longa acoplando continentes, oh, mulher, amor meu, quero teu corpo dando sentido a íntima vontade, a tudo que desejas ao meu...

Quero amar, ficar preso à tua liberdade, a liberdade de decidir em ficar ou partir, querer ou não o silêncio sem os pesos do tudo a decidir a cada bifurcação dos segundos vorazes...

Quero queimar-me incenso, fluir indiano, espalhar-me pelas brisas, ser parte do todo, do Om, oh, amada minha, ser parte do teu todo, do teu ar...

...



__________________________
AL GREEN - Rainin' in My Heart
http://www.youtube.com/watch?v=fPxp5BRhKWM

__________________________________________

.
.

.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

AMOR PIRATA


 
AMOR PIRATA
Nilton Bustamante

Cigarro apagado entre meus dedos
Eu que nem fumo mais
Estou também assim em suas mãos
É o hábito de amar, levar algo aos lábios

Preciso dizer outra vez e mais uma vez
Que não sou quem você acreditou

Fantasia toca meu pensamento
Perco meu tempo
Espero meu corpo queimar
Junto ao seu

Olha pra mim, vê se ainda sente algo
Esse seu amor pirata
Que passa gentil
De mão em mão

Preciso dizer outra vez e mais uma vez
Que não sou quem você acreditou

Cigarro apagado entre meus dedos
Eu que nem fumo mais

VÉU CORAÇÃO

VÉU CORAÇÃO
Nilton Bustamante


Véu cobrindo o que quero ver
Esconde desejos
Quero saber o que vem desse
Seu coração

Esses suspiros são letras de músicas
Sinto com gosto cada nota a emoção
Da espera

Vem me dê sua mão e vamos por aí
Desenhando caminhos sem direção
Não é preciso chegar

Qualquer lugar é bonito quando se ama

JEITO BOBO DE SER



http://www.youtube.com/watch?v=7jstmUpbHhM&




JEITO BOBO DE SER
Nilton Bustamante


Tempo
Sabe me dizer se além das noites e dos dias
Você viu um coração que não sabe ser sério
Jeito bobo de ser?..

- Um coração que quer descobrir caminhos 
Decorados por céus e estrelas... -

Tempo
Pode acreditar, meu coração é mesmo assim
Montanha-russa e segredos...

Sabe me dizer se além das noites e dos dias
Você viu um coração que não sabe ser sério
Jeito bobo de ser?


- Que só quer amar e ser feliz?... - 

quinta-feira, 1 de julho de 2010

ESTRELA PERDIDA

http://www.youtube.com/watch?v=FUwr3NJf8KM

ESTRELA PERDIDA
Nilton Bustamante

Olho em minha volta
Tudo parece estar no lugar
Tudo parece certo demais
Nada teria eu pra reclamar

A mesma rua, mesmo sofá
Tudo parece certo demais
Tudo parece estar no lugar

Até a porta se fechar
Até a luz se apagar...

Só eu sei que ando só
Dentro de mim sinto falta
Da pequena estrela perdida
Que visitava meu céu...

Não ouço mais os barulhinhos madrugadas
Ah, minha pequenina estrela perdida volta
Pro meu céu, como a abelinha volta pra flor

Depois que a porta se fechar
Depois que a luz se apagar...